Associação Bernardino Rivadavia – Biblioteca Popular

A Associação Bernardino Rivadavia – Biblioteca Popular é uma instituição sem fins lucrativos. Foi fundada o 16 de julho de 1882 por um grupo de vizinhos estrangeiros e argentinos, notáveis e idealistas, a maioria eram políticos e profissionais: Felipe Caronti, seus filhos Juan e Luis; Eliseo Casanova, Daniel Cerri, Leónidas Lucero, Octavio Zapiola, Angel Brunel, Daniel Aguirre, entre outros.

Está administrada por um Conselho Diretivo integrado por 12 membros eleitos por assembléia que cumprem suas funções “ad honorem”.

Atualmente, há doze empregados: a Diretora Bibliotecária, três bibliotecárias profissionais, um bibliotecário auxiliar, encarregados de salas, pessoal de limpeza e administrativos.

Como todas as bibliotecas populares, a nossa se mantém básicamente com a contribuição dos 2850 sócios aproximadamente. Há três categorías: Adultos, Juvenis e Menores. Os usuários que não estão associados, pagam um bono contribuição, cada vez que usam os serviços.

São recebidos subsídios da CONABIP (Comissão Nacional de Bibliotecas Populares), da Direção de Bibliotecas da provincia de Buenos Aires, do Instituto Cultural da Prefeitura de Bahía Blanca e de empresas contra prestação de serviços.

O legado de Caronti

Luis Caronti, filho de Filippo e Adela Casati, nasceu o 9 de setembro de 1858 em Bahía Blanca.

Herdou de seu pai, íntegro e republicano o amor pela liberdade, de sua mãe o gosto pela arte. Filántropo, solidário, defensor da educação pública e da cultura, foi militar, jornalista e político.

Aos quinze anos já assinava planos oficiais encarregados pela prefeitura.

Sua carreia militar ativa começou em 1870, quando se recrutou como soldado voluntário de infanteria. Nesta etapa contribuiu com a fundação de povoações e descobrimentos de paragens no sul do país.

Participou em forma continuada e destacada em instituições democráticas. Foi secretário da prefeitura, presidente do Conselho Escolar, prefeito e deputado estadual. Em 1885, quando dirigia o Partido Nacional, se uniu com o Coronel Daniel Cerri para fundar o jornal “El Argentino”, cujos originais se microfilmaram e são conservados na Hemeroteca de nossa Biblioteca.

Antes de morrer em 1917, sem herdeiros diretos, deixou parte de sua fortuna tal como figura em seu testamento:“ …Eu, os bens que agora posuo, em propriedades, dinheiro e demais que possa corresponder-me, tenho sejam entregados por partes iguais , metade ao Hospital Municipal de Bahía Blanca e a outra metade à Biblioteca Pública da mesma cidade, que sostem a Associação Bernardino Rivadavia, de cuja sociedade fui fundador”.

Luis C. Caronti foi um dos trinta e nove signatarios do Registro de Fundação. Seu legado fez possivel a construção do predio inaugurado em 1930.

O predio

O predio da Associação Bernardino Rivadavia encontra-se no denominado Centro Histórico, Av. Colón 31, em terrenos onde se estabelecera a Fortaleza Protetora Argentina, compartilhando o quarteirão fundacional com uma importante quantidade de predios de ordem público e privado de caraterísticas históricas e arquitetónicas destacáveis.

Está considerado o primeiro predio projetado especialmente para Biblioteca, em nossa República. Seu projeto foi ganho por concurso a duas voltas, pelo Arq. Ernesto Guiraud e a construção foi outorgada ao Construtor Justo Querel.

Se inaugurou o 15 de agosto de 1930.

Foi declarado Patrimônio Arquitetónico Municipal (1992), Estadual (2007) e Monumento Histórico e Patrimônio Cultural da Nação (2008).

O predio está desenhado em elegantes línhas do estilo Luis XVI. Desde sua fachada, coroada com uma fachada triangular, até os interiores onde manifesta-se a harmoniosa composição arquitetónica e a fina decoração de todos seus ambientes, destaca-se a perfeita adaptação das funções que deve cumprir uma instituição de difusão cultural.

Empréstimo de uso do imóvel lindero

Em 1995, já que o espaço de armazenamento de bibliografía estava completo, se conseguiu um empréstimo do predio lindeiro, propriedade da Direção Nacional de Arquitetura. É utilizado como Segundo Depósito de livros e revistas.

Móveis

A maioría dos móveis que se compraram para a inauguração do predio (1930) foram adquiridos na firma Nordiska Kompaniet S.A., de Buenos Aires. Estão em uso e em bom estado de conservação.

Um dos móveis que se destaca é a mesa florentina, localizada atualmente na sala Ciriaca Palau de Laspiur onde funciona o escritório da Direção.

Vitrais

Foram realizados pela casa Thomas de Buenos Aires. Restaurados pela Empresa Subirats em 2011/12 com subsídios oficiais.

Patrimônio bibliográfico

Tem aproximadamente 196.100 volumens (integrando jornais, fascículos, recursos eletrônicos, mapas ) que estão distribuidos em quatro salas específicas: Infantil, Juvenil, Depósito e Hemeroteca

Na Hemeroteca, são arquivados mais de cem jornais lançados em Bahía Blanca, desde 1883 até a agora, incluindo jornais de todas as posições políticas, o que compõe uma testemunha única do desenvolvimento das ideais sociais no sul do estado de Buenos Aires. São conservados ademais, títulos nacionais e estrangeiros. Em 2004 se microfilmaram todos os jornais bahienses que pertencem ao Século XIX com um subsídio outorgado pela Universidade de Harvard. Esta sala é visitada frequentemente por investigadores nacionais e estrangeiros.

Se conserva também uma copia de “La Legione Agrícola”, primeiro jornal escrito em italiano com noticias da Fortaleza Protetora Argentina – tal o nome com o que se chamou à incipiente cidade.

*Em abril de 2007 se recibeu uma doação de aproximadamente 15.000 livros de uma coleção particular especializada em História e Literatura argentina e latinoamericana do S. XIX. O legado pertenceu ao doutor Félix Weinberg e já está em processo de catalogação e classificação. Anteriormente se havía recebido a biblioteca de sua esposa Beatriz Fontanella, Doutora em Lingüística, cuja coleção está disponivél para a consulta na Sala de Leitura.

O Catálogo Bibliográfico Informatizado (em inglés, OPAC Online Public Access Catalog) pode consultar-se pela Internet acessando a http://abr.uns.edu.ar/   ou www.abrbp.org.ar. Este trabalho é o resultado do processo de informatização que se iniciou com a migração dos dados bibliográficos já carregados durante 1995-2007 para o formato padrão MARC21 de aplicação internacional em bibliotecas em todo o mundo. O software CATALIS que utiliza esse formato foi desenvolvido pelo Lic. Fernando Gómez, do Instituto de Matemática de Bahía Blanca (INMABB), dependente do CONICET. Esta ferramenta informâtica que utilizam os bibliotecários para a catalogação se complementa com o OPACMARC, que é usado para a consulta do catálogo por parte do público em geral. Tanto CATALIS como OPACMARC se conhecem como software de código aberto e livre.

A Pesquiza: deve realizar-se através das terminais localizadas na Sala Daniel Aguirre. No formulário correspondente, deve registrar-se: autor, título, assunto e dados do interessado. Para solicitar os livros do Depósito, o formulário deve ser entregado no Setor geral. As outras salas, têm sistema de prateleira aberta.

Classificação: os livros estão classificados de duas formas. Antigamente, com o sistema Brunet: se numerava a prateleira e se dava um número ao livro de acordo com a localização na prateleira. Atualmente, se organiza com a Classificação Decimal Dewey. Se determina o assunto, o autor e se colocam correlativamente. Ainda convivem ambos sistemas.

No nível baixo estâo:

A Galería Acesso e Hall de entrada: onde se realizam exposições de fotografías, posters, pinturas e arte em geral. A sub comisão de mostras anualmente faz chamadas a artista plásticos, fotógrafos e instituições à apresentação de propostas.-

Administração: para asociar-se, pagar quotas e reservar salas.

Sala de Conselho Diretivo: onde secciona o corpo que conduz a ABR.

A Sala Juvenil, tem mais de 7000 livros, de literatura, enciclopédias, dicionários e videos. É uma sala onde se pode estudar em grupos e se realizam atividades de extensão cultural

A Videoteca: contem videos didáticos, documentais de temas diversos, filmes em formato DVD e livros em versão digital.

A Sala Infantil: tem disponíveis mais de 7000 livros de literatura infantil clássica e contemporânea, manuais escolares, enciclopédias, dicionários e videos. Por um acordo com a Biblioteca Nacional de Maestros na sala está disponível a Biblioteca Pedagógica.

A Sala de leitura individual e silenciosa: os fundadores da ABR eram maçons e deixaram o sinal moldado em um maravilhoso vitral com os símbolos da maçonaria: o compás, o transportador e o prumo. Nesta sala podem ser apreciados os móveis de Nordiska e parte do patrimônio escultórico e pictórico.

Subsolo:

O Depósito: é onde se arquivam a maior parte dos livros, os jornai, os quadros, mapas, as revistas e os microfilmes. A superficie deste setor é equivalente a todo nível baixo.

A Pinacoteca: está formada por 350 quadros, alguns de assinaturas reconhecidas, como Pettorutti, Carnaccini, Massera, Pronsato e outros. A instituição se orgulha de possuir quadros de todos os artistas locais, pelo menos desde 1930

Possui também uma coleção menor de umas trinta esculturas entre as que se destacam “Las leonas” de Maximilien Fiot e “El labrador”, ambas localizadas na Sala Sarmiento

A Hemeroteca: Na Hemeroteca, se arquivam mais de cem jornais que foram editados em Bahía Blanca, desde 1883 até a atualidade, incluindo jornais de todas as posturas políticas, o que constitui uma testemunha única do desenvolvimento das ideias sociais no sul do estado de Buenos Aires. São conservados, títulos nacionais e estrangeiros. Em 2004 se microfilmaram todos os jornais bahienses que pertencen ao S XIX com um subsídio outorgado pela Universidade de Harvard. Esta sala é visitada frequentemente por investigadores nacionais e estrangeiros.

Se conserva também uma copia de “La Legione Agrícola”, primeiro jornal escrito em italiano com notícias da Fortaleza Protetora Argentina – nome com o que se nomeou a incipiente cidade.

Os jornais, ou revistas que estejam enquadernados não podem ser fotocopiados. Só está permitido o uso de câmeras fotográficas.

Os jornais microfilmados podem ser consultados num leitor digitalizador, adquirido com parte do subsídio outorgado pela Universidade de Harvard em 2004.

Mapoteca: a Biblioteca possui material cartográfico único e por tanto valioso, referido especialmente ao período fundacional de Bahía Blanca. Em 2013 com um projeto de voluntariado, a Mg em Geografía Graciela Benedetti, geógrafas e cartógrafas do Departamento de Geografía e Turismo da UNS catalogaram e classificaram 163 mapas. Se incorporaram ao Catálogo informatizado e se localizaram em uma planera e em gavetas desenhadas para tal fim.

A Sala de Exposições: fechada desde 2007, reabriu suas portas em agosto de 2013 graças a subsìdios outorgados pelo estado municipal, Câmaras de Senadores e Deputados do estado de Buenos Aires e empresas locais.

Primeiro andar:

O Auditório Luis C. Caronti: é uma harmoniosa sala com capacidade para 397 pessoas. Conserva as características ideais de perfeita acústica de seus orígens, tem sido renovada e adaptada às exigências tecnológicas e de segurança atuais, ademais de contar com um piano Bechstein (Baby Grand). Neste auditório são realizados concertos, conferências, congressos, formaturas e teatro.

A Sala Roberto J. Payró: é um cálido recinto de encontro ey aprendizagem para cursos, oficinas, apresentações de livros e reuniões empresariais. Tem capacidade para 50 pessoas. Conta com um moderno equipamento de ar condicionado, projetor multimedia, reprodutor de DVD, micrófones, som e tela retrátil.

Sala Ciriaca Palau de Laspiur: leva o nome como homenagem a quem fora a primeira professora bahiense. Desde abril de 2007 funciona como escritorio da Diretora Bibliotecária

Cómo encontrar-nos:

www.abrbp.org.ar

www.facebook.com/BibliotecapopularBernardinoRivadavia

Nossos serviços

Hemeroteca: días hábeis de 12:00 a 19:00; sábados de 9:00 a 12:00

Mediateca

Mapoteca

Wi-Fi

Biblioteca Pedagógica – Biblioteca Nacional del Maestro

Computadores disponíveis com acesso a Internet.

Programa JAWS para cegos ey disminuidos visuais

Visitas guiadas: para instituições educativas de todos os níveis: terça-feira e quinta-feira de manhã e a tarde. Reservas no telefone 4554055 (ext. 106).

Horario de atenção de segunda a sexta de 10 a 19 e sábados de 9 a 12.

Informação: Av Colón 31 (8000) Bahía Blanca

Tel + 54 0291 4554055 – Fax + 54 0291 4559677

Curiosidades :

O livro mais antigo que se conserva é a Farsalia de Lucano de 1515. É uma epopéia histórica composta por dez cantos, escritos em hexámetros. Conta cronológicamente as lutas entre Cesar e Pompey, até a Guerra de Alexandria.

Os jornais mais antigos são : « El Eco » e « el Reporter », ambos de Bahía Blanca de 1883.

O primeiro bibliotecário foi o cubano Daniel Aguirre, quem colecionou os jornais locais do S.XIX.

Trad.:  Prof. de portugués Irene Luján Seles

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

No se admiten más comentarios